INSTITUCIONAL

Instituto Periferia Maricá é uma filial em Maricá-RJ do Instituto Banco da Periferia, uma ONG, com sede na periferia de Fortaleza, cuja finalidade é proporcionar o desenvolvimento econômico e social de comunidades excluídas, capacitando, formando e implementando no âmbito da sociedade brasileira, instrumentos da Economia Solidária e do desenvolvimento sustentável, focado em moedas sociais digitais como meio de pagamento. Busca facilitar o processo de geração e distribuição de trabalho, ocupação e renda para os mais pobres, tendo como estratégia o desenvolvimento local, ambientalmente justo, a partir da organização em rede de produtores, consumidores conscientes e atores sociais (prosumatores), ancoradas por Bancos Comunitários Digitais. Pelas inúmeras politicas públicas da Prefeitura de Maricá voltadas para a Economia Solidária e desenvolvimento local, o Instituto Periferia se instalou em Maricá em 2016, objetivando desenvolver nesta cidade, em cooperação com o poder público e através de outras parcerias, projetos de desenvolvimento socioeconômico com base territorial, ancorados principalmente no crédito digital e na cidadania financeira e bancária dos maricaenses através de Bancos Comunitários.

FINALIDADE DA ORGANIZAÇÃO

Proporcionar o desenvolvimento econômico e social de comunidades excluídas, capacitando, formando e implementando no âmbito da sociedade brasileira, instrumentos da Economia Solidária e do desenvolvimento sustentável. Busca facilitar o processo de geração e distribuição de trabalho, ocupação e renda para os mais pobres, tendo como estratégia o desenvolvimento local, ambientalmente justo, a partir da organização em rede de produtores, consumidores conscientes e atores sociais (prosumatores).

PÚBLICO-ALVO

Empreendedores e moradores em geral de periferias urbanas e rurais. Em Maricá, o público prioritário, são os beneficiários do Programa Municipal Renda Mínima e Renda Básica da Cidadania, mas , de forma em geral, todos s moradores e Comerciantes de Maricá podem ser impactados pelas ações do Instituo Periferia Maricá.

HISTÓRICO

O INSTITUTO BANCO DA PERIFERIA é uma ONG, criada em novembro de 2014 por lideres populares da comunidade do Conjunto Palmeiras, fundadores do Banco Palmas, e outros profissionais conhecedores da Metodologia dos Bancos Comunitários. A estratégia para criação do Instituto Periferia foi criar uma instituição especialistas em moedas sociais digitais e banco comunitário digital.

A decisão de criação do Instituto Banco da Periferia foi tomada em Assembleia Geral do Instituto Palmas. Cabe ao Instituto Banco da Periferia aglutinar todas as ações de apoio e assistência técnica as moedas digitais dos Bancos Comunitários e ajudar desenvolver projetos e programas em torno da e-dinheiro, plataforma digital da Rede Brasileira de Bancos Comunitários. O Instituto Periferia é a entidade custodiante de todos os recursos financeiros que circulam na Plataforma e-dinheiro.

CAPACIDADE INSTALADA

O Instituto Banco da Periferia possui uma equipe com 10 técnicos com experiência em Economia Solidária, Bancos Comunitários, Moeda Social Digital, Finanças Solidárias e desenvolvimento local. Tem sede matriz em Fortaleza-CE, com sede com 07 salas de trabalho, e uma sala para treinamentos.

PRINCIPAIS PARCEIROS

ESTATUTO INSTITUTO PERIFERIA

Art.1º - O Instituto Banco da Periferia, chamado por Banco da Periferia, fundado em 23 de Outubro de 2014, e duração por tempo indeterminado, com sede na Av. Val Paraíso, 620, Conjunto Palmeiras, CEP: 60870-440, na cidade de Fortaleza, capital do Estado do Ceará...

DIRETORIA

Maria Otaciana Pereira de Barros

Coordenadora Geral

Jaqueline Silva Dutra

Coordenadora Administrativa Finaceira

Adriano Augusto Araújo Aureliano

Coordeenador de Projetos

Rosiane Perdigão

Coordenadora de Capacitação e Gestão do Conhecimento

Patricia Carla Gomes de Lima

Conselho Fiscal

Sandra Batista dos Santos

Conselho Fiscal

Nayara Nascimento de Sousa

Conselho Fical

MISSÃO

Lutar contra a pobreza urbana e rural, desenvolvendo produtos e serviços financeiros alternativos, sob controle das comunidades, que assegure a dignidade e a inclusão social de território de baixa renda.

VISÃO

Todo desenvolvimento é endógeno. Qualquer território por mais pobre economicamente que seja, é portador de desenvolvimento econômico, basta para isso criar redes de incentivo a produção e ao consumo local. Essas redes devem se articular, criando cadeias produtivas e fortalecendo as relações econômicas entre produtores e consumidores da base da pirâmide.